Leito de Transição

Cuidar das pessoas e transformar vidas

Leito de Transição

Os leitos de transição são organizados em duas Unidades Hospitalares totalizando 58 leitos, ofertando atendimento 100% gratuito de Cuidados Prolongados objetivando a recuperação clínica e funcional, a avaliação e a reabilitação da pessoa com perda transitória ou permanente de autonomia potencialmente recuperável, de forma parcial ou total, e que não necessite de cuidados hospitalares em estágio agudo.

Cada paciente tem um plano de cuidados multiprofissional que é único e integrado, cujo desenvolvimento é colaborativo e utiliza os dados das avaliações da equipe multidisciplinar e avaliações ambulatoriais, para identificar e priorizar os tratamentos, procedimentos e cuidados, sempre que possível envolvendo o paciente e seus familiares. Busca refletir não apenas o planejamento dos cuidados, mas também o monitoramento de resultados de todas as disciplinas envolvidas nas intervenções de tratamento do paciente.  

O processo de cuidados aos Pacientes é dinâmico, além de envolver muitos profissionais de saúde, envolve também vários ambientes de cuidados e serviços. O plano de cuidados tem seu desenvolvimento ainda na avaliação pré-internamento, que já pode identificar situações que exijam adaptações do ambiente, de materiais, de medicamentos ou de equipe, antes do processo de internação.

O atendimento é realizado por equipes próprias das unidades regidas por protocolos que integram e coordenam a prestação de cuidados e por serviços compartilhados no complexo de saúde que e incluem:

•         Serviço de Equoterapia;

•         Serviço de Hidroterapia;

•         Serviço de Odontologia;

•         Enfermeira especialista em Estomatoterapia;

•         Laboratório de Impressão 3D de Tecnologias Assistivas;

•         Serviço de Pediasuit.
          • Atendimento em sala multisensotial

Composição da equipe de atendimento na Unidade

Equipe médica:

As unidades são atendidas por 02 médicos que atuam de maneira horizontal, apoiados pelos demais membros do corpo médico do Complexo de Saúde Pequeno Cotolengo, incluindo plantonistas noturnos que garantem atendimento de intercorrências de maneira contínua. 

Equipe de Enfermagem:

A equipe de enfermagem é composta por coordenação

de enfermagem, supervisão de enfermagem, enfermeiros e técnicos de

enfermagem. 

Nutrição

Serviço Social

Fisioterapia

Fonoaudiologia

Terapia Ocupacional

Psicologia

Pedagogia Hospitalar


Gestão de Acesso do Paciente

O serviço atende aos usuários SUS/Curitiba egressos das instituições hospitalares após a avaliação da condição de alta hospitalar pelo Centro de Controle, Avaliação e Auditoria da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba – CCAA/SMS, em conjunto com a equipe multidisciplinar do Complexo de Saúde Pequeno Cotolengo

Critérios de Elegibilidade

São elegíveis usuários em situação clínica estável, que necessitem de reabilitação e/ou adaptação a sequelas decorrentes de processo clínico, cirúrgico ou traumatológico, com alguma patologia crônica ou deficiência, cujos vínculos familiares estejam rompidos ou fragilizados e que não possuam condição de auto sustentabilidade, de retaguarda familiar temporária ou permanente, ou que estejam em processo de desligamento de instituições de longa permanência.

São considerados usuários em situação de perda de autonomia, aqueles com limitações psicossociais, físicas, funcionais, neurológicas, e/ou motoras, restritos ao leito, ou em qualquer condição clínica que indique a necessidade de cuidados prolongados.

Pode ser admitido nas unidades hospitalares o usuário em situação clínica estável, cronificado, cujo quadro clínico apresente uma das seguintes características:

  1. Necessidade de cuidados prolongados para manutenção da saúde, reabilitação, adaptação a sequelas decorrentes de um processo clínico, cirúrgico ou traumatológico;
  2. Dependência funcional permanente ou provisória, física, motora ou neurológica parcial ou total;
  3. Transtorno mental apresentando dependência parcial ou dependência total que necessitem de cuidados permanentes específicos;
  4. Usuários em suporte respiratório, como ventilação mecânica não invasiva, oxigenoterapia ou higiene brônquica;
  5. Usuários estáveis, sem vínculo familiar, que requeiram cuidados paliativos realizados por equipe multidisciplinar;
  6. Usuários submetidos a antibioticoterapia venosa prolongada, terapia com antifúngicos, dietoterápica enteral ou nasogástrica, portadores de outras sondas, drenos ou ostomias;
  7. Usuários submetidos aos procedimentos clínicos e/ou cirúrgicos que se encontrem em recuperação e necessitem de acompanhamento multidisciplinar, cuidados assistenciais e reabilitação físico-funcional;
  8. Usuários em reabilitação motora por Acidente Vascular Cerebral (AVC), Neuropatias, Traumatismo Crânio Encefálico (TCE), Hematoma Sub-Aracnóide Traumático (HSAT), Hematoma Sub-Aracnóide Espontâneo (HSAE) e Traumatismo Raquimedular (TRM);
  9. Usuários traqueostomizados em fase de decanulação;
  10. Usuários que necessitem de curativos em úlceras por pressão grau III e IV;
  11. Usuários com incapacidade transitória de deambulação ou mobilidade.

São inelegíveis para o cuidado em leitos prolongados, os seguintes usuários:

  1. Usuários com episódio de doença em fase aguda ou crítica, em quadro clinicamente instável;
  2. Usuário em tratamento com nutrição parenteral;
  3. Usuário exclusivamente em terapia renal substitutiva;
  4. Usuário que apresente autonomia e independência para as atividades básicas de vida diária e que apresente risco de evasão;
  5. Usuário que faça uso de oxigenoterapia invasiva instável;
  6. Usuário somente com transtorno psiquiátrico agudo;
  7. Usuário menor de 18 (dezoito) anos.

Processo de Acesso aos Serviços

O acesso é regulado, seguindo as definições estabelecidas pelo gestor local de saúde, conforme o seguinte fluxo:

  1. O hospital de origem solicita à SMS/Superintendência de Gestão a transferência do Paciente em alta médica para o Complexo de Saúde Pequeno Cotolengo;
  2. A Superintendência de Gestão em Saúde encaminha a solicitação ao CCAA e ao Núcleo de Regulação Interno (NIR) do Complexo de Saúde Pequeno Cotolengo;
  3. Todos os candidatos a pacientes são avaliados no hospital de origem pela equipe multidisciplinar do Complexo.
  4. A avaliação presencial pode ser dispensada conforme determinação da diretoria técnica em situações de exaustão da estrutura assistencial da rede de saúde do município, com fins de otimizar e acelerar o processo, bem como nos casos de transferência externa para atendimento, quer seja de urgência ou eletivos, em que o retorno ocorra em período inferior a 72 horas.

Ao cumprir os critérios de elegibilidade para essa tipologia de cuidado, o NIR emite parecer e encaminha à Superintendência de Gestão, que articula com o Complexo Regulador para a efetivação da transferência do Paciente. A unidade de origem/Hospital fica responsável pelo usuário até a efetivação da transferência à UCCI Santa Terezinha. A transferência se dá pelo Complexo Regulador. 

Em caso de paciente com perfil de internamento, porém ausência de vaga adequada (por exemplo necessidade de isolamento de contato), o NIR informa ao órgão solicitante e a organização de origem, e o nome do paciente é inserido em uma lista para reavaliação futura em caso de abertura de vagas.

Direitos e responsabilidades dos Pacientes

No ato do Internamento o paciente e seus familiares recebem cartilhas educativas a respeito de seus direitos e responsabilidades durante a estadia

Visitas

A organização apoia o contato dos nossos Pacientes com seus familiares e visitantes, desde que não haja implicação de risco à saúde ou segurança. As visitas ocorrem em local privativo com agendamento prévio através dos telefones: (41) 3314-1905 ou (41) 3314-1912. 

Pacientes com direito legal podem ser acompanhados durante o internamento.

É respeitado o direito dos Pacientes caso recusem falar com pessoas que não estão diretamente envolvidas em seus cuidados.

A organização apoia a comunicação do Paciente com pessoas de fora. Eles possuem acesso ao telefone, ligações por vídeo e correio, assim como serviço de intérprete e tradução. 

Critérios da Alta

O Processo de Alta contempla:

  1. O planejamento da alta descrito em conjunto ao plano de cuidados que aborda objetivos que devem ser alcançados pelos pacientes e seus familiares/responsáveis legais para a alta;
  2. O acompanhamento e controle rigoroso em relação a dor, risco nutricional e polifarmacia;
  3. A articulação com as equipes de atenção básica, inclusive as da atenção domiciliar, para o planejamento da alta hospitalar em tempo oportuno;
  4. Educação em saúde para pacientes e familiares a respeito da doença que ocasionou o internamento e de eventuais limitações residuais.
  5. A definição das necessidades estruturais, bem como equipamentos, medicamentos e materiais necessários à Alta;
  6. A atualização vacinal necessária à transferência.

Uma vez que todos os objetivos definidos tenham sido atingidos, o Paciente passa a ter condição de alta com a garantia do fornecimento e explicação do sumário de alta.

Após a alta o Serviço Social da organização monitora o paciente por até 30 dias realizando orientações a distância.

Pesquisa pós-alta

Após a alta, o Paciente /ou seus familiares/responsáveis legais podem receber a solicitação para participar de uma pesquisa de satisfação.

Essa pesquisa de satisfação tem o objetivo obter a opinião dos Pacientes e familiares/responsáveis legais sobre o atendimento oferecido, buscando conhecer suas insatisfações, anseios e elogios com relação a assistência prestada. E ainda, pontuar as questões referentes à atuação dos diversos profissionais, focando na qualidade do cuidado, da higiene, da alimentação, das instalações físicas e dos equipamentos.

A participação na pesquisa permite obter dados importantes para a melhoria dos serviços oferecidos.

Canais de Comunicação

Nossos canais de comunicação são condutores de opiniões, reclamações e denúncias, atuando na mediação de conflitos entre os assistidos, pacientes, familiares, clientes, parceiros, doadores, contratantes e demais partes interessadas, fundamentando as nossas atividades nos princípios da ética, eficiência, sigilo, boa-fé, isenção e transparência nas nossas relações.

Ouvidoria – nossa ouvidoria realiza o acolhimento das manifestações dos pacientes vinculados à prestação de serviços do SUS (Sistema Único de Saúde), através do endereço https://www.pequenocotolengo.org.br/ouvidoria-2/

Canal de denúncias – este canal realiza o acolhimento das manifestações de violações a leis e normas/políticas internas, assédio moral/sexual, discriminação racial/religiosa, furtos/roubos, fraudes ocupacionais, atos de corrupção e outros desvios graves de conduta através do endereço https://app.codigoconduta.com/pequenocotolengo/

Buscamos prevenir e combater qualquer ato que desvirtue a seriedade e o caráter humanizado do nosso trabalho, atos que se não combatidos podem afetar a reputação da nossa Organização, da nossa marca, e da confiança depositada em nós, pelos nossos parceiros e doadores, conheça o nosso Programa de Integridade através do endereço https://www.pequenocotolengo.org.br/programa-de-integridade-2/